sábado, 25 de outubro de 2014

Massagem às Costas - Back Massage

MASSAGEM ÀS COSTAS




DESLIZAMENTOS


Começamos com deslizamento longitudinal, ao longo da coluna, em várias linhas, ou de lateral para medial e retornando, ao mesmo tempo que vamos subindo até às fibras superiores do trapézio.
Deslizamento longitudinal, de lateral para medial, acompanhando as costelas e
deslizando à volta dos bordos da omoplata.
Transversal abrangente, no sentido inferior para superior.
Sempre que com qualquer tecnica, se alcance a zona superior do trapézio, fazemos deslizamentos no mesmo, com amassamento.
De vez em quando e entre tecnicas, fazemos um deslizamento completo de inferior para superior incluindo os braços, de modo a aquecer o cliente, especialmente nas zonas que possam estar mais frias.
Todas as tecnicas podem ser executadas duas ou três vezes, dependendo da quantidade de tempo que dispunhamos. Para não ‘maçar’ o cliente, convém não efectuar mais que três vezes cada tecnica.


FRICÇÃO


Fricção com os polegares, em círculos alternados nos músculos paravertebrais, de inferior para superior, ou vice-versa.
Fricção em várias linhas paralelas ao centro da coluna e de cada lado desta. Fricção cuidada calma, concentrada, conforme a necessidade ao cliente.

PRESSÃO


Pressões estáticas com as palmas das mãos perpendicularmente à superfície das
costas, de cada lado da linha média, de superior para inferior, descendo desde o inicio da região toracica até ao sacro, o correspondente espaço da palma da mão, decrescendo esta pressão na zona lombar.
Pressões com os polegares somente ou incluindo rotação no final, nos músculos paravertebrais, de cada lado da coluna, de superior para inferior. Estas pressões devem ser executadas calmamente,  e entre cada local de pressão, aliviamos a força exercida, pressionando de seguida no próximo ponto.
Com uma mão no sacro, colocamos o cliente a oscilar suavemente e aproveitando a oscilação, com a zona tenar e hipotenar da outra mão, fazemos pressões nos músculos paravertebrais primeiro de um dos lados e depois do outro, sempre a oscilar. Este movimento é efectuado como se quiséssemos estirar a coluna, i.e. enquanto oscilamos e fazemos a pressão, deslizamos com pressão no sentido inferior-superior.

ESTIRAMENTOS


Estiramentos com a zona muscular dos nossos antebraços, ficando um dos antebraços perto da crista ilíaca, subindo o outro em pequenas oscilações/vibrações, lateralmente, no centro da coluna e do outro lado, até ao ombro/cervical.
Estiramentos em diagonal, seguindo a sequência anterior, com uma mão na crista ilíaca e a outra em diagonal.
Estiramentos com os polegares de medial para lateral dos dois lados ao mesmo tempo nos músculos paravertebrais, começando perto da cervical, e descendo até ao sacro, onde faremos pressão no sentido inferior, deslizando em seguida ao longo da crista ilíaca. Este movimento pode ser feito primeiro de um lado (de medial para lateral) trocando depois para o outro lado.
Movimentos em zig-zag ao longo da coluna com os polegares, de inferior para superior, passando entre as apófises espinhosas, fazendo pressão nos músculos paravertebrais de cada um dos lados da linha mediana, decrescendo essa pressão enquanto passamos por cima dos espaços entre as apófises espinhosas.
Colocando uma mão transversalmente em cima do sacro, vamos subir com a palma da outra mão em oscilações/vibrações rápidas nos músculos paravertebrais, primeiro de um lado e depois do outro, até às fibras superiores do trapézio, retornando em deslizamento.

ROLAMENTO


Rolamento em várias linhas, de inferior para superior, e com intensidade dependendo do tipo de cliente.
Rolamento profundo transversal como se quisessemos deslocar uma massa do lado esquerdo para o lado direito e vice versa, também de acordo com o gosto do cliente.

OMOPLATA


Deslizamento com os polegares ao longo dos bordos das omoplatas.
Fricção ao longo dos bordos da omoplata.
Fricção nos músculos da omoplata, desde os bordos mediais ao longo dos músculos em direcção ao ombro.
Fricção por cima e por baixo da espinha.
Pressões com os polegares por cima e por baixo da espinha.
Deslizamentos com os polegares desde o centro da coluna até ao bordo da omoplata, seguindo o trajecto dos rombóides, e ao alcançar o bordo medial da omoplata, fazemos pressão como que se quisessemos enfiar os polegares por baixo do bordo medial. Podemos de seguida deslizar os polegares até ao ângulo inferior da omoplata, retornado ao centro da coluna e repetindo a tecnica.
Colocando a nossa mão esquerda por baixo do ombro esquerdo do cliente, e o nosso antebraço por baixo do braço do cliente, de modo a ficarmos com o braço dele suportado, de seguida levantamo-lo, enquanto que com os dedos da nossa mão direita, tentamos descolar a omoplata no sentido antero-posterior. Podemos também fazer deslizamentos com os dedos e zona hipotenar da nossa mão direita ao longo do bordo da omoplata.

TRAPÉZIO


Deslizamento nas fibras superiores desde o occipital até ao acrómio e retornando, com os dedos 2º a 5º na parte anterior do cliente e o polegar na parte posterior.
Amassamento das fibras superiores do trapézio de cada lado
Fricção desde a origem no occipital até à inserção no acrómio, seguindo a parte posterior da clavícula, retornado ao início.
Deslizamento com os polegares esquerdo e direito ao mesmo tempo ou alternados, desde o occipital até ao acrómio, desde o occipital até meio da zona torácica, repetindo este movimento várias vezes, aumentando a pressão.

PESCOÇO


Deslizamento com pinçamento suave nos músculos do pescoço, de um lado e de outro igualmente. Deslizamento longitudinal e transversal.
Deslizamento com os nós dos dedos (deslizamento simples ou com vibração) de superior para inferior/lateral (ombro), retornando em deslizamento com a palma da mão aberta.

ZONA TORÁCICA


Deslizamento com os nós dos dedos de cada lado da coluna na zona torácica, de superior para inferior.
Novo deslizamento intercostal.
Tapotagem e ou percurssão a gosto do cliente, tendo especial cuidado com a zona das últimas costelas flutuantes, onde se situam os rins.

ZONA LOMBAR


Amassamento nas zonas laterais lombares, seguida de pinça nas zonas onde não for possivel efectuar o amassamento.
Deslizamento com a zona tenar e hipotenar desde o centro da coluna até à lateral da zona lombar, que pode ser com alguma vibração, voltando à linha média puxando o que empurrámos com a zona anterior da nossa mão.
Deslizamento e fricção ao longo da crista ilíaca, de um lado e de outro, inferior e superiormente à crista ilíaca.

FINALIZAÇÃO


Pinças e beliscos em todas as costas, suavemente.
Com as costas secas, começando de superior para inferior, junto ao inicio da região torácica, e agarrando um pequena prega de tecido junto às apófises espinhosas, levantamo-lo e oscilamos com suavidade transversalmente, seguindo para outro segmento de tecido abaixo.
Oscilações de inferior para superior com deslizamentos abrangentes,

Finalizamos colocando uma toalha quente (no tempo frio) em cima das costas do cliente, e colocamos uma das mãos no sacro a oscilar transversalmente, devagar, enquanto que a outra mão vai deslizando em oscilações desde o sacro até ao início da região cervical. No final fica somente a mão em cima do sacro a oscilar cada vez mais lentamente, seguindo a respiração do cliente, acabando por a retirarmos quase sem dar por isso.

English translation:

SLIDING

We begin with longitudinal sliding, along the spine, in multiple lines, or lateral to medial and returning, while we climb to the upper fibers of the trapezium.
Longitudinal sliding, lateral to medial, following the ribs and sliding around the edges of the scapula.
Comprehensive cross sliding in the bottom to top direction.
Whenever any technique, to achieve the upper trapezius, slides do the same with kneading.
From time to time and between techniques, we make a full sliding technique from bottom to top including the arms, in order to warm the customer, especially in areas that may be cooler (laterals).
All techniques can be performed two or three times depending on the amount of time we have available. Not to 'bore' the client, techniques should not be performed more than three times each time.

FRICTION

Friction with your thumbs on alternate circles in paraspinal muscles, lower to upper or vice versa.
Friction in several lines parallel to the column and on each side of this center line. Calm, cared for Friction, concentrated, according to customer need and wish.

PRESSURE

Static pressures with the palms of the hands perpendicular to the surface of the back on each side of the medial line, from top to bottom, since the beginning of the thoracic region until the sacrum, descending the corresponding space of the palm, decreasing this pressure in the lumbar area, because of the kidneys.
Pressure with the thumbs including rotation only or at the end in paraspinal muscles on each side of the column from top to bottom. These pressures should be performed quietly, and between each local pressure, relieve the force exerted and then pressing the next point.
With one hand on the sacrum, we put the customer to swing smoothly transversally and enjoying the swing we apply pressures with the zone thenar and hypothenar the other hand, in paraspinal muscles first on one side and then the other, always oscillating. This movement is done as if we stretch the spine, i.e. while we oscillate and pressure, slip with pressure towards lower-upper.

STRETCHES

Stretches to the muscle area of our forearms; one of the forearms near the iliac crest, the other rising in small oscillations / vibrations, laterally, at the column and across the center, until / cervical shoulder.
Stretches diagonally, following the previous sequence, with one hand on the iliac crest and the other diagonal.
Stretches with thumbs from medial to lateral on both sides while the paraspinal muscles, starting near the neck, and down to the sacrum, where we pressure the lower end, then sliding along the iliac crest. This movement can be done first on one side (medial to lateral) after switching to the other side.
Zig-zag movement along the column with the thumbs of the bottom to top, passing between the spinous by pushing the paraspinal muscles on each side of the midline, while decreasing the pressure passed over the spaces between the apophyses thorny.
Placing one hand on top of the sacrum across, let's go with the palm of the other hand in oscillations / vibrations in the paraspinal muscles fast, first one side and then the other, to the upper fibers of the trapezius, returning in slip.

ROLLING

Bearing in several lines, bottom to top, and intensity depending on the type of client.
Rolling deep cross as if we wanted to move a mass on the left side to the right side and vice versa, also according to the customer's taste.

SCAPULA

Slip with the thumbs along the edges of the Scapula.
Friction along the edges of the scapula.
Friction in the muscles of the scapula, from the medial edges of the muscles along towards the shoulder.
Friction above and below the spine.
Thumbs pressures above and below the spine.
Landslides thumbs from the center of the spine to the edge of the scapula, following the path of rhomboids, and reach the medial border of the scapula, as do pressure that if we wanted to stick their thumbs under the medial border. We can then slide the thumbs up to the inferior angle of the scapula, returned to the center of the column and repeating the technique.
Placing our left hand below the left shoulder of the client, and our forearm beneath the client's arm in order to stay with his arm supported, then get up it, while the fingers of our right hand, try taking off the scapula in anterior-posterior direction. We also make slips with fingers and hypothenar area of our right hand along the edge of the scapula.

TRAPEZIUM

Slip the upper fibers from the occipital to the acromion and returning, with fingers 2 to 5 in front of the client and the thumb on the back.
Kneading of the upper fibers of the trapezius on each side
Friction from the origin to the occipital insertion into the acromion, following the back of the clavicle, returned to the beginning.
Slip with the left and right thumbs simultaneously or alternating, since the acromion to the occiput, the occipital provided halfway the thoracic area, repeating this movement repeatedly increasing pressure.

NECK

Slip with soft impingement in the neck muscles on one side and the other also. Longitudinal and lateral slip.
Slip on the knuckles (simple slip or vibration) from top to bottom / side (shoulder), returning in slip with the open palm.

CHEST AREA

Slip with the knuckles on each side of the spine in the thoracic area, from top to bottom.
New intercostal slip.
Clapping or percussion and the taste of the customer, taking special care with the area of the last floating ribs where the kidneys are located.

LUMBAR ZONE

Kneading in the lateral zones lumbar followed pinch areas where it is not possible to carry out kneading.
Slip to the thenar and hypothenar area from the center of the column to the side of the lower back, which can be with some vibration, pulling back the midline to push the front portion with our hand.
Slip and friction along the iliac crest on one side and another, inferior and superior to the iliac crest.

END

Tweezers and tweaks in all back, softly.
With dry back, starting from top to bottom, with the beginning of the thoracic region, and grabbing one small piece of tissue along the spinal processes, pull it and oscillate gently transversally across, heading for another segment of tissue below.
Oscillations from bottom to top with comprehensive slidings,

Finish by placing a hot towel (in cold weather) upon the back of the client, and put one hand on the sacrum ans start oscillating transversely, slowly, very gently, while the other hand goes sliding oscillations from the sacrum to the beginning of the cervical region. At the end the hand over the sacrum is the only to stay, oscillating each time more slowly, following the client's breath, eventually withdrawing almost without realizing it. At this time you should be able to put the customer asleep.

Sem comentários: